Orienta-te

SPO - Serviço de Psicologia e Orientação
Agrupamento de Escolas Dr. Ginestal Machado
Santarém
2000-102

spo.esdgm@gmail.com

Avaliação

 

Alguns dos sites institucionais facultam informação geral enquanto outros são específicos da área de exames. Os sites não institucionais facultam informação útil sobre vários assuntos, entre os quais "exames" e "acesso ao ensino superior". Em caso de desfasamento de informação prevalece a que é indicada nos sites institucionais.

Institucionais:

Direção Geral de Educação

Júri Nacional de Exames

IAVE

ANQEP

Outros:

Exames.org

Forum Estudante

 

A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo e nível de ensino, expressas no projecto curricular de escola e no projecto curricular de turma, por ano de escolaridade.

As aprendizagens de carácter transversal e de natureza instrumental, nomeadamente no âmbito da educação para a cidadania e da compreensão e expressão em língua portuguesa, constituem objecto de avaliação em todas as disciplinas e áreas curriculares.

 

Avaliação - Cursos Científico-Humanísticos

 

 

Estrutura Curricular

Estes cursos são organizados por ano curricular - 10º, 11º e 12º anos - e compreendem duas componentes de formação - Geral e Específica.

 

Escala de Avaliação

A classificação das disciplinas expressa-se na escala de 0 a 20 valores.

 

Classificação Final das Disciplinas

A Classificação final da disciplina tem que ser igual ou superior a 10 valores. Nas disciplinas plurianuais CFD é a média, arredondada às unidades, das classificações obtidas nos vários anos curriculares. No ano terminal, os alunos não podem obter classificação inferior a 8 valores. Nas disciplinas sujeitas a exame nacional, a classificação final é obtida de acordo com o ponto seguinte.

 

Exames Nacionais

É obrigatório realizar um exame nacional no ano terminal das seguintes disciplinas:

Português;

disciplina trienal da Componente de Formação Específica;

duas disciplinas bienais da Formação Específica, ou numa disciplina bienal da Formação Específica e na disciplina de Filosofia da Formação Geral.

 

Estes exames incidem na totalidade dos anos curriculares das disciplinas e têm o peso de 30% na classificação final das disciplinas, no caso dos alunos internos: CFD = 0.7 X CIF + 0.3 X CE. No caso de alunos externos: CFD = CE.

 

CFD = Classificação Final da Disciplina

CIF = Classificação Interna Final

CE = Classificação do Exame

 

Os exames nacionais, para além da finalidade de classificação das disciplinas, podem ser Provas de Ingresso no ensino superior. Para serem válidos como provas de ingresso devem ter uma classificação igual ou superior a 95 pontos (escala de 0 a 200).

 

Provas de Equivalência à Frequência

Nas disciplinas não sujeitas a exame nacional é possível realizar provas de equivalência à frequência com a finalidade de aprovação ou melhoria de classificação, sempre no regime de aluno externo / autoproposto (não matriculado no ano terminal da disciplina).

 

Melhoria de Classificação

É possível realizar exames para melhoria de classificação na 2ª fase de exames do ano em que se concluiu a disciplina e nas duas fases de exames do ano lectivo seguinte. Prevalece a classificação mais elevada.

 

Condições de Transição

Transitam ao ano curricular seguinte os alunos que tenham obtido classificação igual ou superior a 10 valores em todas as disciplinas ou em todas menos duas. Na transição para o 12º ano atende-se à Classificação Final das Disciplinas (CFD) bienais e não à classificação anual do 11º ano. Exemplo: Filosofia 10º ano = 13 valores / Filosofia 11º ano = 8 valores / CFD = 11 valores.

 

Condições de Matrícula

Os alunos que transitam com 8 ou 9 valores numa ou duas disciplinas de continuação podem matricular-se no ano curricular seguinte dessa(s) disciplina(s). Excepção: nas disciplinas trienais os alunos não podem matricular-se no 12º ano se tiverem obtido classificação inferior a 10 nos 10º e 11º anos.

 

Os alunos que transitam com uma ou duas disciplinas em atraso podem matricular-se nessa(s) disciplina(s), no ano curricular em que não se verificou a transição ou a aprovação, dependendo da existência de vaga e de horário compatível. Não é permitido estar matriculado em três anos curriculares. Não é permitida a matrícula em mais do que um ano curricular da mesma disciplina.

 

Os alunos retidos devem matricular-se nas disciplinas em que não obtiveram classificação positiva, podendo também  matricular-se nas disciplinas em que tenham obtido classificação igual ou superior a 10 valores, para melhoria de classificação.

 

Aos alunos que não concluam o ensino secundário por não terem obtido aprovação em uma ou duas disciplinas do 11.º ano de escolaridade e ou por não terem completado o 12.º ano de escolaridade é permitida, para além da renovação da inscrição nas disciplinas em que não obtiveram aprovação, a inscrição em disciplinas do 12.º ano de escolaridade para efeitos de melhoria de classificação, de acordo com as possibilidades da escola

 

Direção Geral de Educação

Júri Nacional de Exames

IAVE

 

Decreto-Lei nº 139/2012Decreto-Lei n.º 91/2013

Portaria nº 243/2012

Portaria n.º 304-B/2015 - Diário da República n.º 185/2015, 1º Suplemento, Série I de 2015-09-22 - Primeira alteração à Portaria n.º 243/2012, de 10 de agosto, que define o regime de organização e funcionamento dos cursos científico-humanísticos de Ciências e Tecnologias, de Ciências Socioeconómicas, de Línguas e Humanidades e de Artes Visuais, ministrados em estabelecimentos de ensino público, particular e cooperativo, e estabelece os princípios e os procedimentos a observar na avaliação e certificação dos alunos

 

Exames:

IAVE

JNE   Facebook

 

Regulamento dos Exames

Guia Geral de Exames e Acesso ao Ensino Superior

Orientações Exames - Alunos NEE

 

Informações e critérios

Exames de Anos Anteriores - ES

Correspondência Exames Nacionais / Provas de Ingresso

 

Avaliação - Cursos Profissionais

 

 

Estrutura Curricular

Os cursos profissionais têm uma estrutura curricular por módulos, permitindo uma maior flexibilidade e o respeito pelos ritmos de aprendizagem dos alunos. Para além das disciplinas e da Formação em Contexto de Trabalho, os alunos realizam uma Prova de Aptidão Profissional, projecto que mobiliza as capacidades e saberes adquiridos ao longo do curso.

Para conhecer os programas das disciplinas consulte: Agência Nacional para a Qualificação

  

Escala de Avaliação

 

A classificação das disciplinas, da FCT e da PAP expressa-se na escala de 0 a 20 valores. A classificação final de cada disciplina obtém-se pela média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações obtidas em cada módulo.

 

Momentos Especiais de Avaliação

São definidos momentos especiais de avaliação para recuperação de módulos em atraso.

 

Classificação do Curso

 

A classificação final do curso obtém-se mediante a aplicação da seguinte fórmula:

 

CF=[2MCD+(0,3FCT+0,7PAP)]/3

CF=classificação final do curso, arredondada às unidades;

MCD=média aritmética simples das classificações finais de todas as disciplinas que integram o plano de estudos do curso, arredondada às décimas;

FCT=classificação da formação em contexto de trabalho, arredondada às décimas;

PAP=classificação da prova de aptidão profissional, arredondada às décimas.

 

Assiduidade

No cumprimento do plano de estudos, para efeitos de conclusão do curso com aproveitamento, devem estar reunidos cumulativamente os seguintes requisitos:

a) A assiduidade do aluno não pode ser inferior a 90% da carga horária do conjunto dos módulos de cada disciplina;

b) A assiduidade do aluno, na FCT, não pode ser inferior a 95% da carga horária prevista.

 

Certificação

A conclusão de um curso profissional é certificada através da emissão de:

a) Um diploma que certifica a conclusão do nível secundário de educação e indica o curso concluído;

b) Um certificado de qualificação profissional de nível 3 que indica a média final do curso e discrimina as disciplinas e respectivas classificações, a designação do projecto e a classificação obtida na respectiva PAP, bem como a duração e a classificação da FCT.

 

 

Legislação Relevante:

 

Decreto-Lei nº 139/2012Decreto-Lei n.º 91/2013

Despacho nº 9815-A/2012

Portaria n.º 74-A/2013  atualizada pela Portaria n.º 59-C/2014  atualizada pela Portaria n.º 165-B/2015

Portaria nº 550-C/2004 (revogada)

Portaria nº 797/2006 (revogada)

 

Prosseguimento de Estudos

Os cursos profissionais são formações de nível secundário, com a duração de três anos letivos, vocacionados para a qualificação profissional dos jovens, privilegiando a sua inserção no mundo do trabalho e permitindo o prosseguimento de estudos ao nível do ensino superior ou de Cursos de Especialização Tecnológica - CET ou Cursos Técnicos Superiores Profissionais.

 

O modelo de avaliação não inclui a realização de exames nacionais. Contudo, os alunos dos cursos profissionais que pretendem prosseguir estudos no ensino superior ficam sujeitos à realização de exames nacionais nas seguintes disciplinas:

 

a) Na disciplina de Português da componente de formação geral dos cursos científico-humanísticos;

b) Numa disciplina  escolhida de entre as que compõem os planos de estudo dos vários cursos científico-humanísticos.

 

Por outro lado, deverão submeter-se às condições exigidas pelos estabelecimentos de ensino superior, ou seja, realizar os exames correspondentes às Provas de Ingresso e os Pré-requisitos. Para uma informação mais detalhada sobre o acesso ao ensino superior, consulte a página relacionada com o Ensino Superior ou o site oficial do acesso ao ensino superior: Direcção-Geral do Ensino Superior

 

Notas: 

Os alunos dos cursos do ensino profissional e pretendam prosseguir estudos no ensino superior realizam na qualidade de autopropostos os exames finais nacionais da disciplina de Português, da componente de formação geral dos cursos científico-humanísticos, numa disciplina escolhida de entre as que compõem os planos de estudos dos vários cursos científico-humanísticos, correspondendo a CFCEPE ao valor resultante do cálculo da expressão (7CFC+3M)/10.

A CFCEPE é calculada pela média ponderada da classificação final do curso profissional (peso de 70%) e a média aritmética simples, arredondada às unidades, dos exames (peso de 30%), arredondada às unidades, da seguinte forma: CFCEPE = (7CF+3M)/10

 

Sendo:

CFCEPE – classificação final de curso para efeito de prosseguimento de estudos

CF – classificação final do curso profissional, calculada até às décimas, subsequentemente convertida para a escala de 0 a 200

M – média aritmética simples dos exames nacionais, arredondada às unidades na escala de 0 a 200

 

Só podem ser certificados para efeitos de prosseguimento de estudo no ensino superior os alunos em que o valor da CFCEPE e a média aritmética dos  exames finais nacionais sejam iguais ou superiores a 95 pontos.

 

Os alunos dos cursos do ensino profissional podem realizar os exames finais nacionais para efeito de prosseguimento de estudos, independentemente do ano do seu curso que se encontrem a frequentar, devendo contudo acautelar a validade das provas de ingresso.

 

Exames - Legislação Relevante:

IAVE

JNE   Facebook

Informações - Prova 2017

Correspondência Exames Nacionais / Provas de Ingresso

Regulamento dos Exames 2017

Guia Geral de Exames e Acesso ao Ensino Superior 2017

Orientações Exames - Alunos NEE - 2017

Exames de Anos Anteriores - ES

Guia PI - Público

Ìndice de Cursos

Assistente de Escolha de Curso